quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

ta na hora de enterrar o "Defunto"



Buenas galeraaaaaa

O defunto que me refiro não é meu ex marido é nosso relacionamento...rs..

Me dei conta que desde quando me mudei pra minha mãe eu to velando o nosso relacionamento...com um medo danado de enterra de vez.....
No fundo criava expectativas do SE....se ele entrar em recuperação, se nos demos bem como amigos...SE SE e SE...kkk
Engraçado como a gente acaba nem percebendo certas coisas...
Notei isso quando decidi "me despedir de mim mesma"..vi que ainda alguma coisa me prendia...e a frase a a psicologa disse que eu estava querendo fazer a obra com as minhas mãos, no inicio soou como se eu quisesse ser a responsável pera recuperação dele...o que não é verdade...ai me bateu a revolta...mais minha amiga do "vivendo além da codependencia"...me ajudou a entender que de certa forma eu queria "da uma ajudinha" pra Deus e manipular o destino do Du...e também conversando com a minha madrinha Janete...ela falou o seguinte:

...Essa finalização às vezes é importante pra você mesma se libertar do "luto". É como enterrar um ente querido, o ritual faz parte da libertação da familia. Quando isso não acontece (o funeral) por diversos motivos, tipo pessoa desaparecida, os psicólogos dizem que a familia não consegue nunca se recuperar. É importante a cerimônia, o ponto final. Você está colocando o seu ponto...

Então  bora enterra o defunto, essa carta galera é meu ponto final.

Ola Du...
Por onde começar... Vou quebrar o silêncio e tentar esclarecer algumas coisas
Lembra quando eu te cobrava que vc não dizia que me amava... e vc dizia que existiam sentimentos que só faziam mau e faziam a pessoa sofrer, e eu me revoltava..enfim
Hoje sou obrigada a concordar contigo..nossa eu te amei tanto...mais tanto...tanto que acabei deixando minha vida de lado pra poder viver esse amor, me dediquei, fiz coisas que me prejudicaram, me machucaram, suportei muita coisa...por vezes me sentia culpada e incapaz de te fazer feliz.
Eu buscava incansavelmente preencher um vazio que existia ai dentro de vc, tudo pra que vc não precisasse usar drogas, eu fiz muita coisa sem vc me pedir, tudo pra que eu pudesse ver vc feliz sem a droga pra que assim pudéssemos ser felizes...tudo em vão.
Amei mais a ti do que a mim própria...
E depois de tudo ainda ser acusada como culpada pela sua recaída, ouvir de seus pais que vc disse a eles que se vc recaiu a culpa foi minha?..Minha culpa...
Saber que vc pensa assim, que vc diz isso a outras pessoas realmente...Deu..pra mim acabou...
Não tenho raiva de ti...sei que vc tem uma doença, acredito que a doença mais horrível que existe, pq ela cega o próprio doente, por isso não tenho raiva, magoa, nada.
Só não da mais pra dedicar a minha vida, dar o melhor de mim, tudo pra que vc possa se recuperar...e ainda ouvir que quero lhe prejudicar...não me permito mais...sofrer desse jeito....por isso vou ficar de longe, afinal eu não quero mesmo te prejudicar só quero e sempre quis que vc fosse feliz sendo marceneiro, motoboy, ganhando muito dinheiro ou pouco dinheiro..e te falo só não aceitei a droga pq ela só traz destruição...vc nunca foi feliz de verdade...vivia fugindo da realidade...pra esquecer do seu vicio...o que não funcionou acho que muito bem....então já que eu te prejudico tanto melhor ficar longe de ti...
Quanto aos seus pais...tb não tenho raiva deles não, afinal eles repetem o que ouvem de vc, assim como a Lilian é responsabilizada até hoje por eles, pq como eles dizem ela  é  a coisa ruim de olho azul destruiu a vida do meu filho...eu devo ser a nova coisa ruim que é culpada pra que vc continue se destruindo, afinal não te dei carinho o suficiente, nem, fui compreensiva, nem paciente, nem tolerante...só te julgava né...pois é essa é a concepção que eles acabaram tendo da sua ex e agora de mim...lógico que com a ajuda de seus desabafos...de sofrimento, mais enfim...deixa pra la
Eu te perdoei de verdade e me libertei de todas as magoas, espero que um dia vc me perdoe se te magoei, se te fiz sofrer...realmente essa não foi minha intenção, só assinei essa internação pq vc me pediu e eu acreditei mais uma vez de que vc estava pedindo ajuda pq achava que precisava de ajuda...e não pq queria fugir de uma ”encrenca” ou dar um tempo pra coisas esfriarem ..eu realmente achei que vc levaria o tratamento a sério até o final...mais depois da primeira visita vi que ainda não foi dessa vez....estou passando a responsabilidade pela sua internação aos seus  pais...eu não opino mais e nem vou mais participar de suas visitas
Peço que as ligações sejam direcionadas aos seus pais...por favor não me ligue mais.
Sua família agora são seus pais, suas irmãs e seus filhos...eu sou apenas uma amiga, ou colega, mãe dos seus filhos como vc preferir.
Nunca vou proibir que vc participe da vida dos seus filhos vc sabe disso e em todas visitas que tiver alguém que possa se responsabilizar por eles....eles estarão indo....eu prefiro acompanhar isso tudo de longe pra que eu não me prejudique mais e nem a vc.
Bom...vc sabe que eu te desejo do fundo do meu coração...tudo de bom...que vc seja muito mais muito feliz..que vc consiga vencer essa doença...vc sabe que pode contar comigo como amiga..e quando eu puder ajudar sem me prejudicar ou prejudicar a vc ajudarei, quando eu PUDER...por favor entenda isso

Fica com Deus
Um bju
Rachel

7 comentários:

  1. É muito fácil acabar com o problema da co dependencia qdo se é namorada, esposa ou até amiga! É só decidir ir embora da vida da pessoa, mesmo sofrendo muito e colocar a razão acima de qq coisa.
    Não posso dizer o mesmo, pq sou mãe e acho triste se todas mulheres desistirem de amar...enterrar um amor pra poder "PARAR DE SOFRER". Será que vai parar de sofrer mesmo? Eu acredito no amor e acredito que qdo se sente amor, a gente não pensa só em si mesma...apesar de que precisamos seguir um programa de 12 passos, mas abandonar alguém...é crueldade! Essa é minha e só minha opinião! PAZ E SERENIDADE

    ResponderExcluir
  2. Crueldade..pra mim Crueldade é tirar a possibilidade de uma pessoa assumir suas proprias escolhas e consequencias e assim poder aprender com elas...em nome to tal AMOR VERDADEIRO...vai doer de qualquer jeito eu junto ou eu longe...mais eu TENHO CERTEZA...DE QUE...EM NOME DO QUE SE REALMENTE É AMOOORRR..ele vai conseguir vencer essa doença...ele PRECISA...aprender a caminhar com as proprias pernas...sem MULETAS..sendo MULETAS ESPOSAS, MULETAS MÃES, MULETAS NAMORADAS, MULETAS AMIGAS...eu duvidar de que ele não tem essa capacidade pq é doente É DUVIDAR DE DEUS...DO MILAGRE DE DEUS...É ME ACHAR SUPERIOR A ELE ...EU NUNCA E JAMAIS O ABANDONAREI...e vou ajuda-lo da maneira correta...como aprendi e venho aprendendo através do AMOR EXIGENTE E NARANON...
    essa é apenas minha opinião :)

    ResponderExcluir
  3. Eu também sempre digo que namorada, amante, esposa, tem essa possibilidade de aprender a se amar e tentar deixar de sofrer. Até mesmo isso é um "parto", não é menos sofrido, mas vejo que o instinto de sobrevivencia às vezes tem que falar mais alto. Ficar com um DQ na ativa leva as pessoas à morte em vida. E não ajuda o DQ em sua recuperação pq a presença do codependente mantém a adicção, só de estarmos ao lado, mesmo que não financiando a droga, já serve de muleta para que eles não parem. Na maior parte das vezes, o DQ só busca recuperação após perder tudo que tem. É o que chamamos de fundo de poço. Às vezes, amar - AMAR em maiúscula, é permitir que eles batam o pé no fundo para começarem a subir. Não soltar a corda pode levá-los ao final (cemitério, cadeia, comorbidades - esquisofrenia) sem que tenham tido a possibilidade de tentar uma recuperação. Às vezes amar (com minúscula) pode matar. Lia, frequentar um grupo de apoio nos dá esse conhecimento, não é ""enterrar um amor pra poder "PARAR DE SOFRER"" e sim deixar que nosso ente amado entre em recuperação.
    Aqui abro parenteses e digo: já precisei fazer isso, foi a coisa mais dolorosa que passei na minha vida, e foi a melhor decisão que tomei, hoje meu dq está limpo ha 1 ano, trabalhando, namorando, vivendo uma vida "normal". O risco de recaida existe para todos, mas a certeza que eu tenho sem sombras de dúvidas, é que ele estaria morto se eu não tivesse a força necessária para soltar a corda na hora exata.

    Janete

    ResponderExcluir
  4. Kel, me identifico muito com o seu pos't...
    E sei o quanto é difícil, abandonar o barco é tão difícil ou até mais do que permanecer nele....
    TMJ amiga!!!
    Força nessa nova etapa...

    ResponderExcluir
  5. Acompanho seu blog há algum tempo, nunca postei nada por não me achar no direito de ajudar ou atrapalhar (as vezes conseguimos fazer os dois ao mesmo tempo!). Mas hoje, vou sair um pouco do silêncio e deixar algumas palavras para você...Não é abandonar o barco, é apreender a navegar o seu barco. Dói, meu pequeno não tem nem dois anos, seu pai esta internado a quase 4 meses (sinceramente levando o tratamento a sério), é sua primeira e última internação (segundo ele) mas tantos coisas aconteceram que pondero se realmente quero ter que conviver com essa realidade o resto da minha vida (pois todas nós sabemos que há recuperação, regada e cultivada para o resto da vida....senão fudeu). Serei o jardineiro para sempre?
    Gosto muito dos seus posts (se quiser dar uma olhadinha nos meus...http://cartasaoadicto.blogspot.com.br/
    (nada demais, apenas as cartas que mando para ele).
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Queria apenas comentar algo que também vivencio com a família dele, uma dinâmica muito parecida com a qual você descreve. Eu sou o satanãs (de acordo com a maluca evangélica fanática da irmã dele), mesmo sua relação com as drogas ter começado a mais de 10 anos e eu conhecê-lo há uns 4 mais ou menos, a culpada sou eu! Nenhum dos familiares (inclusive a mãe), nunca botou um pé no Nar Anon ou AE, facilitou, encobriu, acobertou, pagou dívida em biqueira e por ai vai; e a culpada sou eu!!! Puxa, eu tenho super poderes mesmo! bjs
    P.S: Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir